Autoestima • Renove o relacionamento com você mesmo

Por Andrea Lopes

 Autoestima é um tema que desperta o interesse humano há muitos anos.

Michel de Montaigne, filósofo francês do século XVI, pontua em sua produção a necessidade do autoconhecimento e da valorização daquilo que somos, apesar dos modelos e estereótipos sociais e culturais.

Montaigne propõe que sejamos capazes de nos conhecer melhor, tanto no que se refere a nossas imperfeições quanto as qualidades que possuímos. Ao aceitarmos o desafio de entender melhor quem somos, começamos a nos aceitar como somos. Valorizar-se é a palavra de ordem, passamos a não desprezar nossas possibilidades e aumentamos as chances reais de sermos mais plenos a partir daquilo que é nossa maior qualidade, a originalidade!

Cada vez mais em meu trabalho, constato que pessoas com autoestima positiva podem ter mais facilidade para fazer boas escolhas. Além disso, abatem-se menos com eventuais fracassos ou julgamentos alheios. Já as que nutrem baixa autoestima são mais críticas e tendem a se desvalorizar, hesitam em tomar decisões, temendo a opinião dos outros. O impacto da baixo autoestima na nossa vida faz com que não vivamos todo o nosso potencial, interferindo nos nossos relacionamentos pessoais e profissionais e nivelando por baixo nossas escolhas.

Ter uma autoestima saudável significa que ela se mantém estável diante dos desafios cotidianos. Podemos nos reconhecer fortes, inteligentes, integrados socialmente e, ao mesmo tempo, admitir que cometemos erros, enfrentamos inseguranças e temores.  As falhas, porém, não ameaçam o equilíbrio nem desmotivam, são uma oportunidade para reflexão, questionamentos e aprendizado. O fracasso numa área específica da vida não leva a pessoa com boa autoestima a se depreciar integralmente.

Mas o que fazer para se conhecer melhor? Por onde começar?

Perguntas sempre auxiliam nessa jornada:

Qual o impacto da opinião dos outros em sua vida?

Você costuma dizer sim querendo dizer não?

Está sempre preocupado em agradar os outros?

A partir das respostas a essas perguntas podemos entender melhor como pensamos, no que acreditamos e como nos comportamos e assim,  fazer os ajustes necessários para construção e manutenção de uma boa autoestima.

Já que o amor é uma plantinha que precisamos regar,  assim também é o amor próprio. O que você faz para regar a plantinha da sua autoestima?

sobre autoestima como cultivar

Para mais informações sobre a autora:
www.andrealopescoach.com.br

Foto: Flickr – Alex Graves