Como enfrentar o medo • Parte IV

Por Andrea Lopes

Como o medo afeta o seu dia a dia

O medo se manifesta tanto física como emocionalmente. Para você entender como é a sensação física de medo, vou dar um exemplo:
- Imagine que você esteve de cama por alguns dias. Quando sai de casa pela primeira vez ainda se sente cansado e vulnerável. Você se sente fraco e um pouco tremulo. Você está extremamente sensível a tudo, pessoas carros, ruídos, cheiros, parece que alguém aumentou o volume e o brilho de tudo. O mundo esta um tanto opressivo. Você vai atravessar a rua e é mais cuidadoso que o normal, porque não confia em você mesmo, não confia nos outros motoristas e se sente incapaz de enfrentar qualquer coisa.
Essa sensação é igual à sensação de medo.
Quando você tem esta sensação por ter estado doente, você leva um ou dois dias pra voltar ao normal. Mas quando você tem medo, sofre de uma fobia ou de ansiedade generalizada essa sensação não passa com os dias. Vai ficando cada vez pior. E esse é o inferno que passa as pessoas que sofrem com o medo.

Reações físicas do medo

Quando a gente sente medo o corpo se prepara para o famoso “lute ou fuja”. Seu corpo se prepara para dois resultados possíveis, enfrentar a situação e lutar com ela, ou sair correndo, fugir. Isso faz seu cérebro trabalhar muito intensamente, o que gera mais adrenalina. Você pode se sentir tremulo e enjoado, sente dores agudas nos braços, pernas e ombros. Seus sentidos são bombardeados com muito mais informações do que você costuma administrar e por isso seu cérebro não consegue filtrar tanta informação e você se torna super-vigilante, e assim fica muito mais sensível ao que acontece a sua volta .
Quando tudo isso acontece em relação a algo que não seja uma ameaça física (ou seja, você não está sendo assaltado, atacado concretamente) mas acontece em relação à uma ameaça emocional, como por exemplo você está medo de falar com seu chefe, começa uma espiral de terror onde a o coração dispara, e acelera a adrenalina, que faz que sujam dores no corpo, que aumenta a resposta ao medo liberando mais adrenalina, e assim o ciclo continua.
Na terapia a gente aprende a lidar tanto com os aspectos físicos como os aspectos mentais do medo. Com relação a estes aspetos físicos há algumas estratégias para se aplicar e começar a vencer o medo.
Por exemplo: Pedro tinha tanto medo de andar de metrô, mas nunca tinha entrado sequer numa estação de metro. Portanto ele tinha fobia daquilo que ele pensava que era o metrô . Toda vez que ele passava perto de uma estação de metrô e, só de pensar em entrar, ele suava frio, seu coração acelerava, seus ombros ficavam curvados e ele achava que ia desmaiar.
Vejam que o medo dele não está relacionado ao ato de entrar no metrô, mas está relacionado a sensação de perda de controle que ele associava a andar de metrô.
Como essa sensação toda era muito forte, ele nunca teve a chance de lidar com o medo de forma racional. Ele precisava, antes de tudo aprender a lidar com o medo aprendendo a controlar os sintomas físicos e desacelerá-los. Pra isso ele aprendeu a respiração diafragmática, tranqüila. Controlar a respiração é essencial, porque ela envia ao cérebro uma mensagem bem diferente. A respiração controlada diz ao cérebro que tudo está bem, o batimento cardíaco diminui, os músculos relaxam, o corpo volta o equilíbrio e controle.
Neste estado você pode começar a investigar a causa do medo. Antes de investigar as causas mais profundas é preciso acalmar os sintomas físicos.

Manifestações mentais do medo

Os efeitos físicos do medo tão devastadores, o coração acelera e tudo mais, mas a razão pelo medo ser tão esmagador é que esta resposta física está associada a uma resposta mental, menos visível, mas muito poderosa.
A emoção subjacente do medo é a FALTA DE CONFIANÇA EM VOCÊ MESMO.
Quando está com medo você duvida da sua capacidade de enfrentar o problema. E esta dúvida é incrivelmente destrutiva pra sua psique. Você pensa: ”eu não posso lidar com as coisas”, e você se sente negativo a respeito de você mesmo e perde toda esperança.
E vocês sabem no que dá a falta de esperança, quem pensou em, depressão acertou. A depressão poder vir como conseqüência de uma mente que sente medo 24hs por dia. E este é mais um dos motivos pra você ir adiante neste projeto de superar seus medos.
Outro motivo é a sensação de frustração, você não quer ser se sentir assustado. Você sente até vergonha de ter medo, e percebe que se não tratar esse medo ele vai afetar sua carreira, seus relacionamentos, suas esperanças, suas amizades, ou sua chance de ter uma vida familiar descente.


foto_Berta Vicente Salas

Como enfrentar o medo • Parte I
Como enfrentar o medo • Parte II
Como enfrentar o medo • Parte III

Para mais informações sobre a autora:
www.andrealopescoach.com.br

foto: Flickr - Berta Vicente Salas